27 dezembro 2009

CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

No 9º ano iniciamos o tema “Contrastes de Desenvovimento”:


Com frequência o desenvolvimento dos países é avaliado em termos de estudos económicos – por exemplo, o rendimento de uma pessoa, em média, por ano, ou o rendimento do país – mas, tais medidas não consideram a qualidade de vida. Os factores sociais, como estruturas de cuidados de saúde, educação e realização pessoal, não têm sido totalmente levados em consideração.

Para avaliar o nível e os progressos do desenvolvimento humano, a Organização das Nações Unidas, todos os anos, calcula o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) para 173 países. A partir do valor do IDH, que varia entre 0 e 1, e que se obtém considerando, em cada país, o nível médio de instrução, a esperança média de vida e o nível de vida, é possível: agrupar, em três níveis de desenvolvimento, elevado (IDH superior a 0,800), médio (IDH entre 0,800 e 0,500) e baixo (IDH inferior a 0,500), os vários países.

Embora o IDH traduza o valor médio do estado de desenvolvimento de um país, não reflecte as diferenças entre os valores mais reduzidos e os mais elevados, pelo que, no mesmo país, sendo ele desenvolvido ou em desenvolvimento, ocorrem situações de pobreza humana, ou mesmo miséria, e outras de opulência.

De acordo com o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), para 2007/2008 os países com maior IDH, portanto, os mais desenvolvidos são: Islândia, Noruega, Austrália, Canadá, Irlanda, Suécia, Suíça, Japão, Holanda, França;

e os menos desenvolvidos são: Serra Leoa, Burkina-Faso, Guiné-Bissau, Níger, Mali, Moçambique, República Centro-Africana, Chade, Etiópia, República democrática do Congo, Burundi.

Os alunos visualizaram alguns capítulos do filme “O Fiel Jardineiro”. No filme foram confrontados com situações que demonstram falta de desenvolvimento e de exploração por parte dos países mais desenvolvidos (aos países mais pobres). Aqui fica um resumo:



O filme tem uma história simples e aborda um tema polémico: o mundo das indústrias farmacêuticas e toda a corrupção que envolve este meio. Quénia é o palco principal da acção.

Fala do amor entre duas pessoas, amor pelo próximo, amor pela raça humana, amor por aqueles que nada têm e que são enganados a troco de um pedaço de comida, a troco de medicamentos, mesmo não estando estes muitas vezes em condições, a troco de uma vida que devia ser deles por direito. É um relato cruel de uma realidade assustadora, de empresas farmacêuticas que testam os seus medicamentos em pessoas que não se podem defender e que muitas vezes morrem, sem saber porquê, acabando enterradas num “buraco qualquer”. Justin Quayle é um discreto diplomata britânico a quem é dada uma nova missão no Quénia. Entretanto, conhece Tessa, uma activista dos direitos humanos fortemente empenhada nas questões da pobreza e da justiça social. Os dois apaixonam-se e acabam por casar. Depois de instalados em Nairobi, Justin aconselha a mulher a não se envolver muito profundamente com os quenianos, mas Tessa não obedece às instruções do marido. Pelo contrário, envolve-se de maneira cada vez mais forte nos ideais da sua luta. Um dia, Tessa desaparece e acaba por ser encontrada morta. A polícia acredita que ela foi assassinada por um médico (Dr. Arnold Bluhm) com quem se costumava encontrar, o que remete para a possibilidade de infidelidade, já que os motivos avançados são os passionais. Apesar destas evidências, Justin acha que existe uma trama bem mais complexa por trás da morte da mulher e inicia uma exaustiva investigação que acaba por penetrar em meandros perigosos. Ao mesmo tempo que reconstitui os passos de Tessa, Justin fica a saber que ela andava a investigar as práticas desumanas de uma empresa farmacêutica (“ThreeBees”). Esta, com a cumplicidade das autoridades britânicas, usava quenianos como cobaias para testar um novo medicamento contra a tuberculose (“Dypraxa”). Pelo caminho, Justin vai conhecendo a dolorosa realidade oculta daquele país.




19 dezembro 2009

OS TRANSPORTES

“Mudam-se os tempos... de viagem.
Em meados do século XIX, na primeira estrada pavimentada que ligava Lisboa ao Porto, a mala-posta (carruagem que levava o correio e passageiros) demorava quatro dias a percorrer a distância entre as duas cidades! Contudo, bem melhor que no século XVII, quando uma carta do rei levava 13 dias a chegar a Miranda do Douro... Hoje, em pouco mais de cinco horas e de automóvel, faz-se o mesmo percurso. A ligação Lisboa­Porto, por seu turno, é facilmente realizada em três horas, tanto de automóvel como de comboio.”
José Silva Lobo, “Coordenadas 8 – Volume 2” (manual de Geografia)


Modo de transporte: maneira como é possível proceder a deslocações: terrestre, aquático e aéreo.

Meio de transporte
: veículo usado nas deslocações, como, por exemplo, o comboio, o automóvel, oleoduto, o avião ou o navio.


Os alunos do 9ºano realizaram trabalhos de grupo sobre os meios de transporte (vantagens/desvantagens, características em Portugal, nos países desenvolvidos/em desenvolvimento, curiosidades). As apresentações foram criativas... aqui ficam alguns exemplos:

video

video

video



Parabéns a todos os alunos pelo empenho!

17 dezembro 2009

MUITAS SAUDADES…

… dos meus alunos... que continuam a presentear-me com lindíssimas mensagens.

Sandra:
“Olá Professora! Espero que esteja tudo bem consigo. Na terça foi a festa dos meninos, nós fizemos uma dança com eles, só faltava lá você... Se quiser nós temos fotos para lhe enviar! O voluntariado sem si nunca mais foi a mesma coisa era óptimo trabalhar com eles, e de repente ficamos sem grande tempo! Eles amanhã vão à nossa festa e também vamos dançar! Beijo e Feliz Natal”

Beto:
“OLÁ STÔRA CARLA TUDO BEM??? AQUI SENTE-SE MUITA FALTA DA NOSSA "QUERIDA PROFESSORA" - UM ABRAÇO DA TURMA DO 8ºA. UM FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO”

Cristina:
“Oh setôra então você deixou-nos faz-nos tanta falta por cá... volte para cá para o ano. bj”

Paulinha:
“Olá senhora professora estou a falar para dizer que tive 73% no teste de geografia, espero que esteja bem. bjo”


...muitas, muitas, muitas saudades!

13 dezembro 2009

PARABÉNS PATRÍCIA E ANDRÉ

A Patrícia e o André (da minha “linda” direcção de turma) participaram no Concurso “Marcadores de Livros” dinamizado pela Biblioteca Escolar. A Patrícia, que ficou em 1º lugar (8º anos), recebeu um livro e um certificado de participação; o André pela participação recebeu um certificado.


O registo do momento não foi fácil…

Depois de várias tentativas, a fotografia certa: A celebrar com outros alunos da turma:

12 dezembro 2009

OS PROJECTOS DA INÊS DE CASTRO



OS PROJECTOS DA INÊS DE CASTRO um blogue que apresenta projectos e actividades desenvolvidas na Escola.



10 dezembro 2009

DESAFIO NATALÍCIO!




Este desafio foi-me oferecido pela Isabel do Blogue "Histórias con(m) Vida!".

1. Eu já...
acreditei no Pai Natal… na fantasia!

2. Eu nunca...
deixarei de ser, de estar, de querer, de lutar, de criar, de acarinhar, … de viver!

3. Eu sei...
que o Natal é só um dia, mas podíamos (tentar) prolongá-lo pelos restantes dias do ano e amar mais e partilhar mais!

4. Eu quero...
continuar com saúde (o possível), ter muitos natais e… ser feliz!

5. Eu sonho...
com uma sociedade mais tolerante, mais solidária, mais humana e que pense no bem comum e não só no de alguns!


Um desafio para todos os visitantes deste Blogue!

06 dezembro 2009

CIMEIRA DE COPENHAGA

Entre os dias 7 e 18 de Dezembro realiza-se a Cimeira de Copenhaga.
Da Cimeira de Copenhaga para as Alterações Climáticas, deverá sair um acordo global (sobre a redução de emissões de gases com efeito de estufa) que substituirá o Protocolo de Quioto, cuja primeira fase expira em 2013.

Um tema polémico "as alterações climáticas são a questão dominante da geopolítica e economia mundiais do século XXI, uma questão que afecta a equação mundial do desenvolvimento, da paz e da prosperidade" (Secretário-Geral da ONU).
A pressão para limitar as emissões dos gases com efeito de estufa é grande. Os Estados Unidos da América estão no centro das atenções e são alvo de críticas pela lentidão em atingir as metas estipuladas.


Saber mais sobre esta Cimeira e o ambiente em "Esmiuçar Copenhaga"
(blogue criado pela Agência Portuguesa do Ambiente, no âmbito de um concurso que desafia os participantes a apresentar num video-clip uma reflexão crítica sobre a Conferência de Copenhaga).



CARTOONS:












DINAMARCA:



Designação Oficial: Reino da Dinamarca

Capital: Copenhaga

Língua oficial: dinamarquês

Área: 43 094 km2

População: 5 240 milhões de habitantes

Densidade Populacional: 125 hab/km2

Moeda: coroa dinamarquesa

Imagens: pesquisa do Google


03 dezembro 2009

FOTOGRAFIAS DE PORTUGAL

Uma página na net onde podem ser vistas fotografias magníficas de localidades do nosso país.

É só clicar.

Coimbra (roubada do site)