31 janeiro 2009

ESPAÇO URBANO


A sedentarização do Homem levou ao surgimento das principais povoações.
As antigas cidades albergavam a residência dos senhores que dominavam a região e assumiam funções de controlo político e administrativo e, também, de defesa.
Com a revolução industrial, as cidades transformaram-se. Mais do que um determinado número de pessoas a viver numa localidade, definir cidade passou a ter em conta as actividades e funções que marcavam a vida do espaço urbano. Por isso a definição actual de cidade tem em consideração, sobretudo:
Critérios demográficos
– tem-se em conta o número de habitantes ou um dado valor de densidade populacional. É extremamente variável de país para país.
Critérios funcionais – estes critérios têm por base o tipo de actividades económicas e as funções e serviços da aglomeração urbana. Assim, uma cidade deverá ter a esmagadora maioria da sua população activa a trabalhar no comércio, serviços e indústria; deverá possuir serviços como transportes públicos, escolas e hospitais, comércio variado, teatros, cinemas e museus, tribunais e repartições administrativas, entre outros.
Critérios morfológicos – têm em conta, também, a dimensão dos edifícios, que são habitualmente em altura, e a grande densidade das vias de comunicação e de tráfego.
Podemos definir cidade como um espaço densamente povoado, habitualmente com construção em altura e com grande densidade de vias de comunicação e tráfego, onde se concentram actividades industriais, comerciais e de prestação de serviços, assim como os poderes políticos e administrativo.

Os alunos do 11ºB elaboraram trabalhos em PowerPoint caracterizando algumas cidades portuguesas, tiveram em conta, a sua localização geográfica, a sua gastronomia, monumentos históricos, infraestruturas de relevo e histórias típicas dessa urbe. Resultaram apresentações de interesse revelando o empenho e a curiosidade da descoberta dos discentes (mesmo a falta de recursos, como o multimédia, não impossibilitou as apresentações).
Continuem a melhorar!








25 janeiro 2009

ERA UMA VEZ...

Na semana de 19 a 23 de Janeiro decorreu na Biblioteca a Feira do Livro. Os utentes do C.A.O. foram convidados a visitar a nossa biblioteca e assistir à apresentação de dois contos populares pelos alunos do 11ºB e 12ºB. As histórias relatadas foram: “O Ratão Pelado” e “Os Dez Anõezinhos da Tia Verde-Água”. Os contos foram apresentados e animados com muita graça e o divertimento reinou entre os presentes. Que maravilhoso ouvir os risos, os comentários de elogio e sentir a alegria e o carinho destes amigos.



24 janeiro 2009

OLHA O PASSARINHO...

As acções de voluntariado no C.A.O. foram retomadas neste 2º período lectivo. Nada melhor para começar um novo ano recordando os gostos, as personalidades de cada um, e assim foi, todos sentados, no chão da sala de trabalho, de uma forma descontraída os alunos e utentes do C.A.O. íam fazendo perguntas uns aos outros, conhecendo-se melhor.

Muitas perguntas, algumas confidências e ruidosas gargalhadas rechearam uma hora e meia de convívio. (14-01-09)

O Francisco fez anos e nós não podíamos deixar esta data em branco. Cantamos os parabéns, comemos o delicioso bolo feito pela mãe do aniversariante, cantamos várias músicas, rimos, deliciamo-nos a observá-los na realização dos trabalhos manuais...

Como são surpreendentes as capacidades dos utentes do C.A.O. Obrigado Paulo por teres acompanhado os alunos. Muitas felicidades Francisco. (16-01-09)




Mais uma acção de voluntariado no C.A.O. com os alunos do 11ºB. Estivemos a conversar sobre as actividades a desenvolver na Festa de Final de Ano e também houve tempo para tirar fotografias revelando a amizade e ternura que existe entre este grupo fantástico de pessoas.

Estão todos muito bonitos! (21-01-09)







UNIÃO EUROPEIA

Datas importantes na formação da União Europeia:

1950
9 de Maio
Robert Schuman, ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso, inspirado num plano de Jean Monnet, através do qual propõe que a França e a República Federal da Alemanha ponham em comum os seus recursos de carvão e de aço, numa organização aberta a outros países da Europa.
Reconhecendo a importância da data que marcou o início do processo de construção europeia, o dia 9 de Maio foi consagrado como o Dia da Europa.

1951
18 de Abril
Seis países - Bélgica, França, República Federal da Alemanha, Itália, Luxemburgo e Holanda - assinam em Paris o Tratado que institui a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA), entrando em vigor em 23 de Julho de 1952, por um período de 50 anos. Esta Comunidade foi extinta em Julho de 2002.

1957
25 de Março
Assinatura em Roma dos Tratados que instituem a Comunidade Económica Europeia (CEE).

1973
1 de Janeiro
A Dinamarca, a Irlanda e o Reino Unido aderem às Comunidades Europeias que passam a ter 9 Estados-Membros.

1981
1 de Janeiro
Entrada da Grécia nas Comunidades Europeias, que passam a contar 10 Estados-Membros.

1986
1 de Janeiro
Espanha e Portugal aderem às Comunidades Europeias, que passam a contar 12 Estados-Membros.

1992
7 de Fevereiro
É assinado em Maastricht o Tratado da União Europeia, que entra em vigor em 1 de Novembro de 1993. O Tratado da União Europeia, estabelece as bases para uma política externa e de segurança comum, uma cooperação mais estreita nos domínios da justiça e dos assuntos internos e a criação de uma união económica e monetária, incluindo uma moeda única. A CEE muda a sua designação para «Comunidade Europeia» (CE).

1993
1 de Janeiro
É criado o mercado único europeu.

1995
1 de Janeiro
A Áustria, a Finlândia e a Suécia juntam-se à UE, que passa a ter 15 Estados-Membros.

1999
1 de Janeiro
Início da terceira fase da União Económica e Monetária (UEM). A moeda única – euro - é introduzida nos mercados financeiros e passa a ser a moeda oficial dos 11 Estados.

2004

2007
1 de Janeiro
Adesão da Bulgária e da Roménia à União Europeia.
Adesão da Eslovénia à Zona Euro.

Os alunos do 7º ano conheceram a formação da União Europeia e aprenderam os 27 países e respectivas capitais. Para tal tiveram de entoar uma música em que iam dizendo os países constituintes. Foi muito animado ouvi-los cantarolar os países da U.E. Tiveram, ainda, oportunidade de fazer um jogo, “O Mapa da Europa”, onde tinham de colocar os países europeus na localização correcta.


18 janeiro 2009

ORIENTAÇÃO

Os alunos do 7º ano aprenderam a localização relativa, ou seja, a localização de um lugar relativamente a outro. Para conseguirem localizar os lugares tiveram de saber os rumos da rosa-dos-ventos.
A rosa-dos-ventos é formada por um conjunto de rumos que permitem a orientação, correspondentes aos pontos cardeais, colaterais e subcolaterais.

A rosa-dos-ventos surgiu da necessidade dos marinheiros se orientarem em alto mar, com a ajuda dos rumos dos ventos.


Um dos processos de orientação mais utilizados é a bússola.
A bússola foi descoberta na china e só mais tarde a sua utilização se estendeu à Europa.
É constituída por uma caixa metálica, no fundo da qual está desenhada uma rosa-dos-ventos e um círculo graduado de 0º a 360º, e por uma agulha magnética móvel.
A extremidade magnetizada da agulha aponta sempre para o chamado norte magnético (que não coincide com o norte geográfico). A bússola aponta sempre para o norte porque a Terra tem no seu interior um metal, o ferro, que se comporta como se fosse um íman gigantesco orientado na direcção norte-sul.
O norte magnético e o norte geográfico fazem um pequeno ângulo designado de declinação magnética. Esta varia de lugar para lugar, sendo em Portugal de 9º para oeste. Para a bússola estar correctamente orientada a ponta azul ou luminosa da agulha magnética deve ficar cerca de 9º oeste do norte indicado no mostrador.
Coloca-se a bússola numa superfície plana, afastada de objectos metálicos; deixa-se a agulha estacionar; roda-se lentamente a bússola até que a ponta luminosa fique a 9º oeste do norte assinalado no mostrador; os pontos da rosa-dos-ventos marcados no mostrador ficam assim nas suas verdadeiras posições.

Depois desta explicação os discentes aprenderam a utilizar a bússola e em pequenos grupos manusearam este objecto de orientação.
Seguidamente, dinamizou-se uma prova de orientação. Em cada turma elegeram-se dois alunos que fizeram um pequeno percurso, entre as mesas da sala da aula, e utilizando a bússola tinham de referir o rumo a tomar sempre que mudavam de direcção.
Foi muito interessante e divertido, todos os alunos das turmas colaboravam procurando ajudar os colegas.

01 janeiro 2009

FESTA DE NATAL NA ESCOLA

A Festa de Natal da Escola realizou-se no dia 18 de Dezembro. O António, o Carlos, o Filipe, o Vitor e o Amilcar, utentes do C.A.O., acompanharam o Coro da Festa. Comportaram-se como verdadeiros profissionais. Na hora da música da Tolerância juntaram-se a eles os alunos do 11ºB, o Paulo, a Mónica e eu, todos sentados nas escadas do palco a cantar e a encantar a comunidade educativa que aplaudiu e acompanhou o refrão da música. Simultaneamente, o Filipe e a Susana, o Vitor e a Vanessa realizavam uma coreografia da música. Foi, sem dúvida, um momento muito feliz e emocionante.